terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Verão – muito mais pulgas e carrapatos

Nessa época do ano em que estamos finalizando, o verão, aumenta o número de ectoparasitas, como pulgas, carrapatos e piolhos, pois o clima nesses meses do ano aqui no Brasil favorece suas procriações e permanências no ambiente. Contudo, os seres mais afetados com isso são os animais, tanto os de companhia, como cães e gatos, como os de produção e esportes, como por exemplo, bovinos e eqüinos, respectivamente.

O mito de que esses parasitas só infestam os animais de companhia quando os mesmos estiverem em sítios ou fazendas que têm pastos com grandes animais já está ‘caindo de moda’, pois os donos de cães e gatos estão percebendo que mesmo aqueles animais que moram em apartamento, só saindo para fazer um xixi na graminha do prédio ou dar uma voltinha no quarteirão, também podem apresentar algumas pulgas e/ou carrapatos. Aqui na cidade de São Paulo, por exemplo, muitos parques e praças estão infestados com ectoparasitas, e isso se dá por causa do nosso clima favorável, claro, mas principalmente pelo grande aumento da população de cães e gatos nos grandes centros urbanos, e também pela grande quantidade de ‘animais de rua’, que são os mais suscetíveis, espalhando-os por todo lado.

Os cães podem se infestar com pulgas e/ou carrapatos facilmente, já os gatos se infestam principalmente com pulgas, que muitas vezes não são visíveis por causa do hábito de se lamber que esses animais apresentam. Os ectoparasitas normalmente, na teoria, são específicos de cada espécie animal, mas na prática vemos que a ‘pulga do gato’, por exemplo, pode infestar um cão, e assim por diante; resumindo, as espécies têm seus ectoparasitas específicos, mas também podem se infestar com os de outra espécie. As pulgas dos animais podem ir no ser humano quando o ambiente está infestado e é feita a retirado do animal desse ambiente – os animais possuem a temperatura corpórea mais elevada que a nossa, favorecendo a preferência da pulga.

Cabe lembrar que tanto pulgas como carrapatos podem transmitir determinadas doenças para cães e gatos, como por exemplo, Hemobartonelose, Erlichiose e Babesiose. Portanto, a lição mais importante desse texto é: ‘Prevenir ao invés de tratar’, que é muito melhor para seus ‘companheiros’, os impedindo de contrair alguma dessas doenças.

Existem vários produtos para prevenção e tratamento, portanto consulte seu Veterinário para uma orientação correta.

2 comentários:

Patricia disse...

Boa tarde,

Tenho uma cadela de 9 anos que começou a ter febre à cerca de 2 semanas. Já fez analises e está tudo bem, excepto a citologia do sangue que diz que a maioria dos linfócitos observados apresentam-se reactivos, o que significa a presença de uma
resposta imunitária específica.

A analise da Ehrlichia deu negativa e agora fez a da babésia.

Os sinto mas que tem é apatia, febre, pouco apetite e dificuldade em levantar e subir escadas.

Será tem a ver com febre da carraça ou será outra coisa? Os veterinarios ainda n conseguiram descobrir!!
Obrigada pela atenção.
Patrícia

Daniel Lima disse...

Oi Patricia, realmente o quadro dela é complicado. Pensar em Leptospirose tb. Tem histórico de carrapatos e/ou ratos? Recomendo tb, caso não tenha sido feito, um Ultrassom abdominal, Função Renal e Hepática.
Vamos nos falando.
Abs,
Daniel Lima