quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Manejo alimentar de cães

Hoje vamos falar um pouco sobre alimentação dos cães e seu manejo - Alimentar com o que? Que quantidade, frequência? etc.



Há uma grande discussão entre colegas veterinários sobre os cães serem carnívoros ou onívoros, mas não vou entrar nesse mérito, pois é um assunto que vai longe demais.

Na minha opinião, resumidamente, cães necessitam de proteínas, carboidratos, lipídeos (gorduras) e complementos de minerais e vitaminas.

Uma ração de qualidade contém tudo relatado acima e bem balanceado. Essa é uma forma de alimentação canina.



Outra forma é a comida caseira, como por exemplo, arroz, carne (frango, carne bovina, peixe) e legumes. Normalmente precisamos entrar com suplementos de vitaminas e minerais. Lembrar que deve ser feita própria para o cão, sem temperos. Seu veterinário de confiança poderá orientar mais detalhes.



Existem também alimentação natural industrializada, balanceada e vendida congelada. Essa forma de alimentação é mais recente e não tenho muita experiência com meus pacientes.

A alimentação dos filhotes necessita de mais proteína e cálcio, principalmente por causa da fase de crescimento. Existem rações específicas para filhotes, inclusive diferenciando necessidades para raças pequenas, médias e grandes. Já na alimentação caseira, consulte seu veterinário de confiança para orientar a mudança para os filhotes.

A Alimentação para filhotes pós desmame deve ser oferecida 4x ao dia até os 4 meses de idade, na minha opinião. Após isso, 3x ao dia até 1 ano de idade. Adultos devem comer 2 ou 3x ao dia. Eu prefiro que os cães adultos comam, quando possível, 3x ao dia, principalmente os de raças grandes e gigantes, prevenindo uma doença praticamente fatal chamada 'torção de estômago'. Lembrar que a quantidade diária é sempre a mesma, recomendada na embalagem da ração ou pelo veterinário do cão.

O ideal é utilizar comedouros de alumínio, limpos, sem resíduos e na altura da cabeça do cão, principalmente nas raças grandes e gigantes. 



Evitar atividades físicas, caminhadas e brincadeiras após a alimentação. Isso também é fundamental nas raças grandes e gigantes.

Cães com muita energia ou cães atletas necessitam de uma alimentação com mais calorias.

Cães idosos ou obesos, por exemplo, também necessitam alimentação específica e diferenciada.

Tenha sempre um veterinário de confiança para orientar sobre tudo isso e muito mais na rotina de seus cães.

Lembrar que água fresca tem que estar sempre à disposição dos cães.




segunda-feira, 24 de março de 2014

Manejo de felinos domésticos (gatos)

Com a vida moderna, muitas pessoas estão morando em casas ou apartamentos pequenos e ficam fora de casa grande parte do dia. Assim também pode surgir a ideia de ter gatos como animais de estimação.



Os gatos domésticos são animais tranquilos e se adaptam super bem à vida moderna que citamos acima. São bem menos ativos que os cães e se adaptam melhor em ambientes menores e com menos gente durante o dia. Na minha opinião, dão menos trabalho que os cães e não necessitam de uma educação tão rígida. Quando me refiro ao trabalho, digo higiene pessoal, higiene de ambiente, atenção, passeios e 'destruição da casa'.



Dois gatos, mesmo de idades distintas, convivem bem juntos. Na verdade, recomendo, pois um faz companhia para o outro.

A adaptação no novo ambiente é fácil e rápido; não requer muitos esforços por ambas as partes, inclusive quando já se tem outro gato em casa.

A alimentação, a ração, pode ficar à vontade em ambiente interno da casa e eles vão comendo no decorrer do dia. Não são gulosos e 'devoradores' como os cães. Muitos gatos gostam de comer em um local mais alto que o chão, pois se sentem mais seguros. A água sempre fresca e à vontade. Uma dica: gatos gostam de água corrente (existem produtos para tal finalidade no mercado pet).

Quanto às necessidades, eles urinam e defecam em caixas com areia específica. Essas caixas são chamadas de liteira. A areia absorve a urina e os próprios gatos escondem as fezes com essa areia, deixando tudo mais limpo e com menos odor ruim. O próprio instinto do gato faz eles usarem a areia para fazer as necessidades fisiológicas. Dificilmente eles erram.

Os felinos domésticos adoram dormir dentro de caminhas fechadas ou caixas bem fechadas, pois eles se sentem seguros e aconchegados.

Gatos tem o habito noturno e costumam brincar e passear pela casa durante parte da noite, mas às vezes se acostumam com a rotina da casa e dormem a noite toda.

Gatos afiam as unhas, portanto, se não tiverem um árvore ou arranhadores para isso, vão arranhar mesas, sofás etc. Fica a dica.

Outra dica importante é a colocação de redes ou telas apropriadas nas janelas e varandas, principalmente em apartamentos. E claro, não permitir que seu gato tenha acesso à rua.

Normalmente tem uma boa saúde. Recomendo ter um veterinário de confiança desde filhote, principalmente para orientar e fazer uma medicina preventiva, evitando o aparecimento de algumas doenças no decorrer da vida deles.

Quero um gato, o que fazer? Você pode adotar um filhote ou um adulto abandonado. Ou pode adquirir um filhote de determinada raça em um gatil de qualidade. Ambos vão trazer muita alegria e companhia.



Espero que tenham gostado do post. Para mais detalhes conversem com um veterinário de confiança ou indicado por alguém. Com certeza ele vai lhe ajudar desde a aquisição e escolha do novo membro da família.



quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Hipertermia em cães - um mal do calor

A Hipertermia é o aumento da temperatura corporal de forma brusca, resultando danos graves ao cão, inclusive óbito, caso não seja revertido o quadro. 

O cão troca calor apenas pela boca e as vias respiratórias funcionam como se fossem um aparelho refrigerador, eliminando o ar quente e absorvendo o ar natural. 

Cães que tem o focinho curto, chamados de braquicefálicos, são os mais predispostos a este mal. São eles: Bulldog Inglês, Bulldog Francês, Pug, Shih Tzu, Boston Terrier etc.

Deixar o cão preso em ambiente quente e sem ventilação e fazer passeios nos horários de pico do sol podem causar este mal. Excessos de exercício e estresse também. Todo cuidado é pouco.

Os principais sintomas são ofegancia exagerada, corpo extremamente quente e corpo mole (o cão fica largado).

Em caso de desconfiança do quadro, manter o animal ventilado, resfriado e em local fresco. Procurar um veterinário urgente.

E para terminar este post, conto com a colaboração de uma amiga, especialista em comportamento animal, que vai nos deixar ótimas dicas sobre passeios e manejo adequado que ajudam a prevenir esse mal. 


"Cães adoram passear!!!!

Além de atividade física, o passeio dá ao cão a possibilidade de desenvolver diversas funções cognitivas e sensoriais através do ato de cheirar árvores, postes, outros animais e pessoas, aumentando assim seu repertório de conhecimento do mundo e favorecendo a socialização do peludo.

Os outros sentidos do cão, como audição, visão e tato também são enriquecidos e passear com o seu tutor fortalece o vinculo e a comunicação entre eles. Nada mais gostoso que um domingo de sol e um belo passeio!!!

Para que tudo dê certo nessa aventura, alguns cuidados são necessários como, por exemplo, coleira e guia apropriadas ao tamanho e formato do corpo e que sejam seguras, além de anti-parasitários em dia!!!

No verão, o mais importante é evitar saídas quando está muito quente e com o sol a pino. Cães sentem mais calor que humanos, não usam tênis para proteger as patas e transpiram apenas pela língua. Isso significa que em horários em que o sol está mais alto, o passeio deixa de ser prazeroso e torna-se uma verdadeira tortura para o cachorro. Portanto, em dias muito quentes, o ideal é passear bem cedo ou no inicio da noite, quando o calor é menor e o chão está fresco, assim ele poderá aproveitar tudo o que o passeio tem a oferecer de bom!!!"

Annelisa Faccin

Consultora Comportamental

http://www.morumbidaycare.com.br


Espero que tenham gostado do post e não esqueçam de manter sempre água fresca em abundância para seu cão no verão. 

terça-feira, 29 de outubro de 2013

'Hot Spot' em cães - O que é isso?

'Hot Spot' é uma expressão usada na dermatologia veterinária para se referir à doença Dermatite Úmida Aguda, que é uma lesão bacteriana de pele, normalmente localizada, consequente, na sua maioria, de traumas causados pelos próprios cães, como coceira e lambedura.



Esses traumas podem ser consequências de diversas doenças ou condições, como por exemplo, dermatites alérgicas, pulgas, carrapatos, piolhos, umidade na pele, escabiose, otites etc.

Cães de pelagem longa ou sub-pêlo denso e fechado são mais predispostos, porém pode acometer todas as raças e tipos de pelagem. Na minha rotina clínica, vejo muito em Goldens, Labradores, Rottweilers e Pastores.

A lesão costuma começar pequena e vai aumentando rapidamente. O aspecto dela é bem eritematoso (avermelhado) e úmido. Pode drenar bastante secreção purulenta e/ou estar coberta por uma crosta. 'Hot Spot' vem daí, pois significa em português 'Ponto Quente'.



O tratamento é instituído pelo médico veterinário após a avaliação do cão. Pode ser oral e/ou tópico.

Quanto à prevenção, cabe citar o seguinte: Controlar pulga e carrapato (ectoparasitas), manter a higiene dos ouvidos, evitar umidade na pelagem do cão e cuidado com excesso de banhos (lembrar que muitas vezes uma boa escovação vale mais que um banho). Todos esses cuidados podem ser orientados por um veterinário de confiança. Não esqueçam que consultas de rotina são fundamentais para a saúde do seu cão.

E, para finalizar, sempre que aparecer qualquer lesão ou anomalia na pele e/ou pelagem do seu cão, seja coceira, falta de pêlos etc, procure um veterinário de confiança que atenda dermatologia.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Filhotes de cães - adaptação na nova casa

Vou aproveitar que estou com uma filhote de Schnauzer Miniatura e vou falar um pouco da adaptação do filhote no novo lar. Já que tive que colocar tudo isso em prática no último mês, vamos lá...


Ganhar, comprar ou adotar um filhotinho é muito gostoso e motivo de muita alegria e ansiedade, principalmente nos primeiros dias, mas não podemos esquecer que esses primeiros dias são fundamentais na educação do novo membro da família.

Não esqueçam: Um filhote que tem uma boa educação se tornará um adulto educado, obediente e que segue perfeitamente as regras da casa. Por exemplo, um filhote que não é repreendido por pular nas visitas e morder a barra da calça de todos, se tornará um adulto com os mesmos hábitos desagradáveis para algumas pessoas.

No começo, algumas vezes não é fácil, requer muita paciência, insistência e 'pulso firme', mas não passa de alguns meses, depois a recompensa é um cão educado para o resto da vida, e apenas alegria, companhia e divertimento para todos.

Um cão adulto sem educação, que não respeita os donos e faz xixi e cocô na casa inteira transforma a casa e a família num transtorno, fica tudo desestabilizado.

O filhote, que normalmente é liberado pelo criador por volta dos 60 dias de idade, não pode ter acesso à casa inteira, pois as pequenas distâncias para nós são grandes para eles, sendo que eles podem se machucar, ficar assustados e, com certeza, vão errar o local escolhido para as necessidades fisiológicas. Escolha um local pequeno e restrito, como por exemplo, um quartinho; neste local vai ter a caminha do cão, água, comida e jornal ou tapete higiênico. Aos poucos, vá liberando o restante da casa. Claro que ele pode vir no colo ou ficar brincando na sala com as crianças, mas lembre-se que após comer, beber água, acordar e brincar, provavelmente ele vai fazer xixi, cocô ou os dois.

Quanto à alimentação,vermifugação e vacinação, consulte um veterinário de confiança para acompanhar todo o crescimento do cão. E claro, uma primeira consulta sobre manejo e orientações gerais com esse veterinário é fundamental.

Se decidir por um cão de raça, procure criadores de qualidade. Fuja dos 'comerciantes de cães', que na grande maioria expõe filhotes em feiras livres, praças, parques e pet shops. Consultar um veterinário que entenda de cinofilia pode ajudar bastante, tanto na escolha da raça como na escolha do criador.

Para finalizar, não deixem de ter o privilégio de conviver com um cão. Além de nos ensinar muitas coisas sobre a vida, é só alegria, companhia, boas energias e muito mais.

Espero que tenham gostado do post!


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Vai viajar com seu cão de avião?

Embarque com tranquilidade...



Viagens nacionais entre estados, mesmo sendo de carro, é obrigatório ter em mãos um atestado de saúde feito por um veterinário após examinar o cão, junto com a carteira de vacinação em dia.

Em viagens internacionais é necessário ter um certificado de autorização, chamado de CZI, emitido pelo ministério da agricultura, além de outros atestados e/ou exigências de cada país.

Eu, como médico veterinário, faço esse serviço de assistência veterinária, documentação e demais procedimentos até a hora do embarque.

Para saber mais, fica o meu contato.

http://www.vethomecare.com.br/index.html

Profilaxia dentária em cães

Dica aos donos de cães:

O que é profilaxia dentária?

É a forma de manter a saúde bucal do seu cão através de limpeza dentária, chamada de Remoção de cálculo dental ou, mais comumente, Remoção de tártaro. Ela evita doenças secundárias ao acúmulo do tártaro, que são placas bacterianas que se formam nos dentes.


Essa limpeza é realizada por um médico veterinário capacitado sob anestesia geral inalatória, pois o cão precisa estar entubado.

É um procedimento tranquilo e de rotina. A recuperação normalmente é extremamente rápida.


Manter a saúde bucal é fundamental para a saúde do seu cão.

Conversem com seu veterinário de confiança e façam um avaliação da boca do seu cão.